domingo, 7 de fevereiro de 2010

AMSTERDAM

Olá!!! Acabo de chegar de mais uma viagem... dessa vez o destino foram os Países Baixos, mais precisamente a Holanda, e mais precisamente ainda... Amsterdam! A viagem começou na sexta-feira de manhã... acordei as 7h, me arrumei e fui pegar o metrô até a Ópera, que é de onde sai o RoissyBus, o ônibus que leva diretamente até o aeroporto Charles de Gaulle. Foi tudo muito tranqüilo e fácil, tirando a parte que eu fiz uma volta inteira em volta da Ópera até achar a parada do RoissyBus, que era, simplesmente, logo atravessando a rua saindo do metrô, mas tudo bem hahaha!
Cheguei no aeroporto pelas 9h40, e como meu vôo era só as 11h, fiz tudo com calma e as 10h30 embarquei. Como estava chovendo, o avião demorou um pouco para decolar... e eu já agoniada. Decididamente, eu não gosto de viajar de avião. Foi só levantar vôo que começou a turbulência... e foi assim a viagem inteira, não parou um instante de balançar. O meu maior alívio é quando pousa, só aí eu respiro aliviada... Cheguei em Amsterdam as 12:20 por aí, e, como as pessoas provenientes da França não passam por imigração nenhuma, saí direto no saguão de desembarque, onde o Gabriel deveria estar me esperando. Mas ele não estava... eu pensei "só pode que se perdeu!!!", e fui olhar nos monitores se o avião dele já tinha chegado mesmo. O avião só não tinha chegado, como também já tinha até desaparecido do monitor, porque fazia uma hora e quarenta que já tinha pousado. Então vi que era para eu ter saído no portão 2, mas eu saí no portão 1... fui caminhando até o portão 2 e lá estava o Gabriel, hiper preocupado, olhando para o monitor dos desembarques, de costas pra mim. Comecei a rir no mesmo momento, e puxei com toda a força a mochila dele, pelas costas. Que susto ele levou!!! hahaha e rimos muito do desencontro, ele tinha feito até um cartaz com o meu nome, para me esperar!!!
Então, fomos almoçar no Burguer King porque vimos que em Amsterdam tinha o mesmo hamburguer que comemos na Áustria, um que se chama Grilled Cheese, e vem com muuuuito queijo! Em Berlim não tinha! Daí devoraaamos cada um um hamburguer, o meu com frango e do Gabriel com carne.
Depois fomos pegar o trem até Amsterdam Centraal, que é o nome da estação central de onde saem vários ônibus e "tram", uma espécie de trem elétrico igual ao metrô, mas não é subterrâneo. Daí descemos até a estação de dentro do aeroporto e percebemos que não tínhamos comprado os tickets... subimos de novo até o saguão do aeroporto e fomos até uma máquina comprar. Só que a máquina só devolvia as nossas moedas, e as outras máquinas não aceitavam dinheiro só cartão. Que dificuldade! Daí desistimos das máquinas e fomos até o balcão comprar os tickets... Então descemos até a estação do trem. E lembramos que não tinhamos validados os tickets!!!! Ai que saco hahaha! Daí eu fiquei esperando o trem na plataforma e o Gabriel subiu para validar os tickets... De repente chega o trem, e o Gabriel lá em cima! Só vejo o Gabriel descendo a "escada" rolante (era uma rampa rolante, na verdade) a toda velocidade, pedindo licença pras pessoas. Não sabíamos se era mesmo esse trem para pegar, daí eu pedi informações em inglês para um senhor que estava subindo no trem e ele me respondeu, em português: Pode falar português, é este trem sim! - ele era de Portugal.
Já no trem tivemos nossa primeira demonstração da "liberdade" que existe em Amsterdam... no banco do nosso lado um cara simplesmente tirou um papel de seda do bolso e começou a enrolar um baseado de maconha. Assim, na maior, na frente de todo mundo! Mesmo sabendo que lá é liberado, é muito estranho ver isso... parece que a cabeça não aceita esse tipo de comportamento, é diferente demais!!! Hahaha!
Descemos do trem na estação central de Amsterdam. Lá, pegamos o tram 5 e paramos na estação do nosso hotel. Pedimos informação numa cabaninha de cachorro quente sobre onde era nossa rua (P.C. Hoofstraat) e lá fomos nós, na chuvinha... frio com chuva! O hotel ficava localizado numa rua só com lojas famosas!!! E super perto das coisas! Achei a localização muito boa, e o preço bem em conta. Só deixamos nossas coisas lá, pegamos vários mapas de várias atrações, e decidimos ir a pé até a Heineken Experience. Estávamos andando, felizes da vida, quando quase fomos atropelados por uma bicicleta que passou a mil do nosso lado. A gente achou aquilo muito estranho né, a bicicleta na calçada... de repente só ouvimos uma buzina e um grito de uma mulher brava atrás de nós, e só então nos demos conta... estávamos na ciclovia!!! hahaha! Tem ciclovias por toda parte em Amsterdam, e elas dividem a calçada com os pedestres... os desavisados, como nós, podem nem prestar atenção que por onde estão caminhando é, na verdade, uma ciclovia.
Não foi mais que 10 minutos de caminhada e lá estávamos nós... entrando no Mundo da Heineken! Muito legal!
Eu não sabia que a Heineken era holandesa, e a visita foi muito divertida... é um tour com várias salas, uma explicando a história da Heineken, desde o surgimento, a fundação... os prêmios que a cerveja ganhou. Descobri, por exemplo, que a fórmula da Heineken foi desenvolvida por um aluno do cientista Pasteur!!! Que legal, né? Vimos os enormes reservatórios onde a cerveja é fermentada, vimos as sementes usadas na fabricação da cerveja, assistimos um filme 3D em que viramos uma garrafa de Heineken... muito legal!!! Quando aparecia a parte em que as garrafas eram lavadas, espirravam água na gente! Tinha também uma sala em que podiamos gravar vídeos e tirar fotos e enviar na hora por internet para os amigos - eu e o Gabriel tiramos uma foto e enviamos para meus pais, mas ficou muito escura. E, é claro, no final tem a degustação da cerveja, super gelada, Heineken Extra Cold, com sua cor "gold" hahaha! PROOST!!!!!!





Após o passeio pela Heineken fomos caminhando sem rumos pelas ruas de Amsterdam, e chegamos a uma praça rodeada por barzinhos super animados! Era a Rembrandtplein, que ainda estava toda iluminada com luzes azuis, muito bonita.

Rembrandt foi um famoso pintor holandês... em Amsterdam tem um museu na antiga casa dele, mas nós não fomos visitar... essa foto é na estátua dele, na praça Rembrandt.

Entramos num dos barzinhos dessa praça para nos aquecermos um pouco... o frio era insuportável!!! Não sei se em Berlim a temperatura estava mais baixa, mas em Amsterdam eu passeio mais frio que lá. Era um vento cortante, que tornava quase impossível ficar parada na rua. Então, entramos num barzinho e brindamos à nossa viagem. O bar era muito legal, 3 Sisters o nome.

Nesse bar também aproveitamos para ligar para o Lorenzo e para a Karina que estavam de aniversário!! Coisa boa falar com a minha amigonaaa... que saudade que eu to dela!

Uma coisa boa em Amsterdam é que todo mundo fala inglês, porque o holandês é uma língua difícil e só é falada lá, né... Então a gente se comunicou facilmente com todo mundo, e como isso ajuda, torna tudo mais fácil!

Depois do bar fomos andando até o IceBar Amsterdam, o famoso bar de gelo, todo feito de gelo. Mas desse bar, infelizmente, eu não tenho fotos porque era proibido tirar fotos lá dentro, devido ao perigo da bateria da máquina condensar por causa dos quinze graus negativos que faziam lá dentro! Mentira, né, porque uma funcionário tira fotos e depois vende a 25 euros, duas fotos. Nós compramos, ficou muito legal, mas como não tenho scanner aqui fica difícil colocar a foto... judiaria! Mas imaginem através da minha descrição (hehehe): para entrar no bar de gelo eles nos dão para vestir uma super jaqueta prata, patrocinada pela Heineken (como tudo no país!!! sério! em tudo tem Heineken). É uma jaqueta enormeeee, a gente vira um urso dentro dela haha! E as luvinhas também prata e também da Heineken, tudo térmico. Então entramos no bar... as paredes todas são de gelo, os bancos de gelo, o balcão do bar é de gelo! Tudo!!! É muito legal! E o friiiiio... nossa!!! É muito frio! Quinze graus negativos!!! Em cima dos bancos de gelo tem tipo um pelego, para não molhar nem congelar a bunda hehehe! Tínhamos direito a dois drinks, e os copos eram... de gelo!!!! Depois assistimos a um filme 3D, meio idiota mas divertido, que simulava uma viagem dentro de um freezer, que ia dar numa montanha de ski, e quando o bonequinho esquiava ligavam uns ventilador para simular o vento e ficava mais frrrrio ainda!!! Muito divertido!

Depois do bar voltamos para o hotel a pé... Amsterdam é bom por isso também, não precisamos usar nenhuma vez o "trem", fazíamos tudo a pé, porque tudo é muito pertinho! Acordamos no outro dia, sábado, e as 9h já estávamos indo caminhar pela cidade... compramos numa loja de souvenir o passeio do citytour, que é um ônibus que passa por todos os pontos principais da cidade. Caminhamos então até o ponto de partida do ônibus e subimos... o ônibus nos deixou em uma fábrica de diamantes, cujo ingresso estava incluído na passagem do citytour. Foi muito legal!!! Deu para ver os artesãos (eles passam por 3 anos de treinamentos antes de virarem artesãos de diamante) "esculpindo" os diamantes para que estes virem brilhantes... Um guia da fábrica também nos explicou várias coisas que eu não tinha idéia que existiam, sobre os diamantes... eles podem ser classificados em 4 categorias que são peso, cor, pureza e corte. Como o diamante é extremamente duro, só diamante corta diamante... por isso, as serras para esculpir os diamantes são feitas também de diamante. O diamante bruto é muito feio, é uma pedra que pode até ser confundida com vidro, pois é opaca e sem nenhum glamour. Só depois de feito o corte, que geralmente é naquela forma que todos conhecem, sendo então chamado de brilhante. O guia nos mostrou 3 brilhantes, um mais lindo que o outro... perfeitos!!! E caríssimos, também!

Nós no ônibus do CityTour:

Na fábrica de diamantes, com uma artesã trabalhando ao fundo:

A artesã esculpindo um diamante:

Depois do passeio, descemos na praça Dam, e lá compramos nosso café da manhã: um saco imenso cheio de batata frita com maionese!!! Nossa, era batata que não acabava mais... e nós devoramos tudo!

Em seguida, fomos caminhando pelos canais de Amsterdam, que são lindíssimos!!! São mais amplos que os de Veneza, e tem vários cisnes, patos, não sei bem que tipo de animal, nadando nas águas... Tem também as famosas casas-barco que surgiram devido a falta de habitação para a crescente população.




As casas-barco ao fundo:


Então, fomos caminhando até a casa de Anne Frank. Antes da viagem eu só sabia o que tinha lindo no meu guia - que ela era uma menina judia que tinha feito um diário contando o dia-a-dia de quem vivia escondido dos nazistas. Mas Anne Frank é muito mais do que isso... o museu que conta sua vida é muito bom, mesmo não tendo móveis, nem roupas. É um museu diferente, composto basicamente por fotos e vídeos da vida de Anne e trechos de seu diário... Mas é tocante o modo como ela expõe fatos cotidianos de uma vida de prisioneiros, que foi o que se tornaram, ela e sua família, ao se esconderem da perseguição nazista no "anexo", que é como ela chamava a parte dos fundos do armazém da família onde eles estavam "mergulhados" (termo usado para designar aqueles que simplesmente desapareciam dos olhos do mundo, passando a viver escondidos).


Vou contar um pouco da história de Anne Frank, que fiquei sabendo através da visita ao museu, que fica onde era sua antiga casa, o local onde ela viveu escondida: Anne nasceu na Alemanha, em 1929 e mudou-se para a Holanda com seus pais, Edith e Otto, e sua irmã mais velha Margot, quando tinha 3 anos, devido a crescente perseguição de Hitler aos judeus. Em 1940 os alemães invadiram a Holanda, e em cinco dias dominaram o país, implementando medidas que, no mínimo, tornavam difíceis as vidas dos judeus. Otto, pai de Anne, era diretor de um armazém de doces e especiarias, e decidiu, em 1942, que a família deveria se esconder lá, na parte de trás da loja. E assim foram "mergulhados" no "Anexo", que era escondido do resto do mundo - suas janelas eram fechadas com grossas cortinas pretas, e a porta que dava acesso ao local era escondida por um armário falso - que está lá até hoje! Muito emocionante!
Só quem sabia da existência dos 4 refugiados no Anexo eram 3 funcionários do armazém - Victor Kugler, que levava regularmente a Anne revistas sobre cinema e teatro, Miep Gies e Bep Voskuijl. Eles eram encarregados de levar mantimentos e demais artigos de necessidade à família escondida. Mais tarde mais uma família juntou-se a eles no Anexo. Anne escreveu em seu diário: "Inúmeros amigos e conhecidos foram levados das suas casas e um destino terrível os espera. Noite após noite os automóveis cinzentos e verdes dos militares atravessam as ruas. Só consegue escapar-lhes quem mergulha a tempo".
As escadas que levam do armazém ao anexo são tão íngremes, mas tão íngremes, que é impossível uma pessoa com problemas de locomoção entrar ali. É triste imaginar que 2 famílias vivessem ali totalmente escondidas, proibidas de fazer qualquer tipo de barulho, enclausuradas dia e noite, convivendo com o medo de serem descobertos a qualquer momento. Anne escreveu, em julho de 42: "Temos medo que os vizinhos nos consigam ver ou ouvir".
O quarto de Anne ainda hoje guarda nas paredes a decoração que ela mesma fez, com vários recortes de artistas de cinema como Greta Garbo e da então princesa inglesa Isabel, ainda pequena. Era ali que Anne escrevia a maior parte do tempo... Olhem o que ela escreveu, em junho de 1944: "This is the day - disse ao meio-dia a rádio inglesa e com razão! Começou a invasão! Tropas de para-quedistas inglesas conseguiram lançar-se na costa francesa. O Anexo está como que em delírio. Será então verdade que a libertação, a tanto ansiada libertação, está a aproximar-se?" Infelizmente, Anne não teve tempo de assistir essa libertação... uma denúncia anônima levou os nazistas ao número 263 da Prinsengracht e todos os clandestinos e seus cúmplices foram presos. Todos foram deportados a campos de concentração, com excessão de Miep Gies e Bep Voskuijl, que foram poupadas pelos nazistas (sim, é estranho, mas no museu tem um vídeo com uma declaração de Miep de como ajudava os clandestinos, então acho que não tiveram envolvimento nenhum com a denúncia).
Todos os cúmplices sobreviveram aos campos de concentração. A mãe de Anne, Edith, morreu por exaustão no campo de extermínio de Auschwitz. A irmã mais velha, Margot, morreu de tifo no campo de concentração de Bergen-Belsen. Anne também morreu de tifo, dias após a irmã, no mesmo campo de concentração, faltando apenas um mês para a libertação de todos os judeus pelos aliados. Apenas Otto Frank, o pai, sobreviveu aos horrores de Auschwitz. Há uma foto dele, saindo do campo, magérrimo... que tristeza!!!
Quando retornou a Amsterdam, após ter sido libertado, Miep entrou em contato com ele para lhe mostrar o diário da filha mais nova, o qual tinha sido deixado para trás durante a apreensão de todos... No museu há um vídeo de Otto contando como foi o momento em que achou o diário... ele diz que sabia da existência do diário pois Anne sempre falava nele, mas que tinha prometido a filha nunca lê-lo. Por isso demorou muito tempo até ter coragem de ler... e surpreendeu-se com a profundidade dos pensamentos de Anne. Que ela sempre demonstrou o que pensava através de críticas e tal, mas que nunca tinha imaginado o quão longe iam suas idéias sobre o que se passava. E termina o depoimento dizendo que os pais não conhecem seus filhos... que ele não conhecia Anne, que pode realmente conhecê-la através de seu diário.

Na saída do museu fui comprar o diário de Anne Frank, que eu estou muito curiosa para ler, mas não tinha mais exemplares em português, estavam todos esgotados! Que pena! Chegando no Brasil vou comprar, com certeza!!!
Uma frase que resume bem o que se sente após visitar o museu, escrita por Primo Levi, escritor e sobrevivente de Auschwitz: "Uma única Anne Frank comove-nos mais do que a quantidade infindável de todos aqueles que sofreram tanto como ela, mas cujas imagens permaneceram nas sombras. Talvez tenha que ser assim: se pudéssemos experimentar o sofrimento de todos eles, seria impossível continuarmos a viver."
Vou colocar aqui uma foto de Otto Frank, no Anexo.... achei muito tocante, muito emocionante:

"Para construir um futuro, temos que conhecer o passado." - Otto Frank.


Bom, saindo do museu, vimos a Torre de Westerkerk que localiza-se no coração do bairro Jordaan, onde, antigamente, moravam a maioria dos imigrantes vítimas de perseguição religiosa, que se mudava para a Holanda em busca de liberdade. Como se vê, a história holandesa foi sempre muito marcada pela tolerância, em todos os sentidos... são tolerantes com as drogas, com o homossexualismo, com os estrangeiros, com as diferentes religiões.




Nas nossas andanças achamos um mercado de flores... não haviam muitas tulipas, flor típica da Holanda, pois estas só florescem em meados de abril. Mas tem de tudo... inclusive, é claro, maconha. Álias, a coisa mais comum é achar maconha em todos os cantos da cidade, principalmente nas lojas de souvenirs!!! São estandes cheias de produtos, mas não a erva propriamente dita... esta, se compra mais discretamente nas famosas coffee shops. Mas tem de tudo: chá de maconha, biscoito de maconha, pirulito de maconha... chá de cogumelo, chá de haxixe... cachimbo para fumar maconha, vaporizador de maconha, moedor de erva, folha de seda, tudo! O paraíso dos drogaditos! A mesma coisa com sexo, tudo totalmente liberado e exposto, mas esperem até chegar a parte em que vou contar do famoso Red Light District, ou, o Bairro da Luz Vermelha.
O mercado de flores:



Após o passeio pelo mercado, fomos até o Bairro da Luz Vermelha. Fica dobrando a direita na praça Dam. Na verdade, resume-se a uma rua principal em volta de um canal, e em várias entradinhas dessa rua. Há muitos sex shops, casas de espetáculos de sexo explícito (a dinda que ia adorar! hahaha!) e, a atração mais famosa, as vitrines com as mulheres!!! Pior que é verdade! É difícil de acreditar, mas isso existe sim... são inúmeras vitrines com as mulheres só de calcinha e sutiã, se mostrando e chamando os homens que passam na rua. Mas, para minha surpresa, são toda horríveis, uma mais gorda que a outra e, inclusive, vimos uma mulher que devia ter uns 60 e poucos anos... Eu e o Gabriel fomos tirar fotos em frente as vitrines e essa mulher mais velha começou a mostrar o dedo do meio pra nós! hahaha! Mesmo assim tiramos uma foto, não sei se vai dar pra ver muito bem elas lá no fundo... se esforcem!!!
Pelas redondezas do Red Light District há muitos coffee shops, que são super famosos em Amsterdam. Entramos num com o objetivo de tomar uma cerveja... qual foi a nossa surpresa quando a atendente disse, com uma cara de "é óbvio!": isto é uma COFFEE shop, não vendemos bebidas alcóolicas. Mas, detalhe: no fundo do coffee shop há um balcão onde se vende só cigarros de maconha, gramas de maconha, e de vários outros tipos de ervas alucinógenas!!! No mínimo é irônico, né!!! Bebida alcóolica não, só maconha! Tá bom!
Procuramos, então, um barzinho "normal" para entrar. Achamos um muito lindinho, a decoração toda colorida com aqueles cachecóis de times, e tomamos uma Amstel, cerveja holandesa, que tem seu nome devido ao rio que cruza a cidade e onde ela começou. Aliás, Amsterdam quer dizer: dique do Amstel.

Jantamos num dos restaurantes da praça Rembrandt, um italiano com decoração grega haha! Muito gostoso! Eu pedi um macarrão com molho vermelho, bacon e alho, e o Gabriel pediu uma pizza bolonhesa! Tudo muito bom! Saboreamos sem pressa nossos pratos, pois já tínhamos conhecido praticamente todos os principais pontos turísticos da cidade, e lá fora estava muuuito frio! Uma foto da gente no restaurante:

Fechamos a noite, então, com a prova de que Amsterdam é mesmo uma cidade muuuuuito louca!!! A gente entrou num bar/boate onde a música estava muito alta... de repente entram na boate um bando de mulheres, umas nas faixas dos 40 e poucos anos, todas fantasiadas! Umas de abelha, outra de Peter Pan, outras de fada e uma muito engraçada vestida de duende hahaha! Sem falar na dj do bar, que era um show cômico a parte... sabem aquelas indias americanas, com os olhos tri puxados, gordas assim? Era igual, mas a parte cômica é que ela devia ter uns 40 e poucos anos também, e usava oclinhos muito de "mãe" (não que a minha mãe seja assim, tá, mãe???), mas era bem como o Gabriel falou, parecia que era uma mãe comandando a festa para os convidados irem embora logo. Mas ela era tri boa!!! As músicas que ela colocava eram muito boas!!! Todo mundo dançava bem louco, e a gente se divertiu um moooooonte, foi muito bom!!!

Eu tirei uma foto da dj, não sei se vai dar pra ver muito bem:


E uma foto do povo fantasiado, muito engraçado:

Hoje acordamos super cedo, 6h, e as 7h pegamos o transfer do hotel até o aeroporto. O vôo do Gabriel era só as 10:40, e o meu... as 13:35!!! Fizemos o check in juntos, mas como nossos portões eram diferentes, fomos passar por raio X diferentes. Eu até pensei que talvez ficassemos separados, mas foi só um pensamento, já que em todos os outros países todos os portões ficam no mesmo saguão. E não é que nos perdemos mesmo??? E não havia jeito de nos acharmos... cada um num canto do aeroporto, e o Gabriel já do outro lado da imigração! Sério!!! Coisa chata esses ingleses!!! O Gabriel sempre que sai da Inglaterra passa por imigração, enquanto eu passo reto por todos os policiais, afinal, para isso que serve União Européia, não??? Só sei que o Gabriel conseguiu passar de novo pela imigração e nos encontramos na frente do Starbucks! Tomamos um café da manhã em um restaurantezinho, demos umas voltas pelas lojinhas, e as 9 e pouco o Gabriel voltou para a fila da imigração. Resultado: acho que o Gabriel tem uns 4 carimbos de Amsterdam no passaporte!!! hahahaha!
Eu fiquei mofando no aeroporto das 9 as 13:30. Até as 11h fiquei dormindo e acordando todo tempo. Numa dessas acordei com uma aeromoça olhando pra mim - não sei se ela me chamou, só sei que acordei e ela estava abaixada na minha frente perguntando se eu ia para Paris. Respondi bem rápido que sim, e já fui me levantando, mas daí ela perguntou se meu vôo era o número tal, e não era o mesmo! Daí voltei a dormir hahaha!
A viagem foi super tranqüila, graças a Deus, já estava ressabiada com os vôos... mas aterrisamos em Paris depois de uma ótima viagem, e as 15h estava no ônibus já em direção a Opera, para depois pegar o metrô e vir para casa. Antes dei uma passadinha num restaurante chinês aqui da rua principal, antes de chegar em casa, e peguei uma comidinha muuuuuito boa para comer em casa!
E é isso!!! Nosso final de semana foi maravilhoso, como vem sendo todos! O próximo será em Praga, na República Tcheca.
BEIJOS!!!
AMO OS COMENTÁRIOS DE TODOS VOCÊS, POR ISSO CONTINUEM COMENTANDO!!!
MAIS FOTOS NO ORKUT...

9 comentários:

Gabriel de Magalhães Trindade disse...

Oh meu amor, este e o meu primeiro comentario no blog... devido ao fato de nao ter computador aqui fica dificil comentar em todos, quando tenho acesso a um computador e por pouco tempo, entao prefiro ler tudo ao inver de comentar. Mas estou sempre por aqui!!!!
Adoro todos os teus posts, e muito bom conhecer as lugares de Paris que nao tive a oportunidade de conhecer pessoalmente, entao viajo atravez das tuas palavras. Mas gosto ainda mas dos posts dos finais de semana, que contam das nossas viagens, parece que estou viajando novamente quando estou lendo. E incrivel a maneira que tu contas tudo, que memoria incrivel!!!
Mas apesar de gostar muito dos teus posts, prefiro muito mais a tua companhia em nossos finais de semanas perfeitos!!! Obrigado por tudo meu amor!!!!
Te amooo!!!!

Solange disse...

Oiiii Filhinhaaaaa amadaaaa!!!
Fiquei impressionada com Amsterdã!!! É muita liberdade em todos os sentidos e quando é demais, perde-se o controle e não é bom! E lá já está acontecendo isso...o governo Holandes já não sabe o q fazer para sair desta "fria"!!
Mas, uma coisa, tenho certeza, o estrangeiro que for para lá a passeio, tem q ter uma cabeça boa, para não confundir as coisas e tomar caminhos errados, pois são tantas as facilidades...e todos sabemos que a maconha é a porta de entrada para drogas mais pesadas e assim ser o inicio do fim!!
Bom, mas, lembrando de todo o passeio que vc narrou, imagino o quanto te divertiste junto ao Gabriel, o bar de gelo deve ser fantástico, muito diferente, já tinha visto uma reportagem sobre ele no Fantástico da Globo. Adorei saber sobre a fábrica de diamantes! Imagino os risos e as gargalhadas de vcs nas situações engraçadas que passaram...e também imagino como sempre, a carinha séria de vcs, diante de fatos tristes e históricos como a casa onde viveu Anne Frank até ser deportada para um campo de concentração onde morreu, sempre a terrível história da perseguição de Hitler aos judeus.
Que bom que vc já voltou e que já está em Paris, assim, parece estar mais pertinho de mim.
Te amooo muito minha Princesa!
Beijão.

Cristiano disse...

Oi Maria Paula... Estou em débito com vc nos comentários né... Mas estou lendo todos viu! Que cidade diferente mesmo que é Amsterdã. Achei muito divertido aquelas senhoras de fantasia na boate. Sobre o Red Lihgt District vi um documentário uma vez sobre a promiscuidade daquelas "mulheres das vitrines" de Amsterdã, onde contava a vida de uma delas... Ela tinha filhos e familia e ali era seu trabalho, tirava turnos e pagava para o local onde ficava na vitrine com um quartinho para as relaçoes sexuais que tinha durante o turno o mais rápido possível para poder dar lucro hehehe (engracado mas é triste). Que legal o bar de gelo, nao sabia que era em Amsterdã. Sobre a Alemanha achei o máximo tambem... Tudo branquinho de neve. Não achou nenhum parente lá? (WÜRFEL). Um abracao garota. Divirta-se!

Paulo Bandeira disse...

Oi Prince! Olha só como pode uma sociedade como a holandesa ser tão tolerante que beira a leniencia! Gostaria de estudar, ler sobre esta sociedade de mulheres na janela!!

Pedro Henrique W. Bandeira disse...

picolé de maconha?? hahahahah o que nao inventam!!!! e a tia CEERTO que iria adorar aqueles teatros de sexo ahuahuahuahuahua
E o Gabriel encontrou sua 2º casa?! O mundo da Heineken! huauhah
bjao maninha, te amoooooo
se cuida!!

Gabriel de Magalhães Trindade disse...

Pedrinho me tirando.... hehehehhe...
Fiquei imaginando ele la... nao ia querer ir embora.... hehehhe

Paulo Fraga disse...

Maria Paula
Como disse o Gabriel, com muita propriedade em seu comentário - "Viajo através das tuas palavras", sinto da mesma forma. Como adoro viajar pego carona no teu diário. Você tem uma maneira muito envolvente de escrever. Consegue não só descrever o que está vendo, mas põe sentido nesse cenário, mostrando as origens, a sua história e, o mais importante, pondo uma pitada muito forte de emoção.
Gostei muito de Amsterdan - o passeio pela Heineken, a fábrica de lapidar diamantes, as casas-barco que conheci numa novela de Manoel Carlos com Fernanda Vasconcellos, "Páginas da vida", a casa de Anne Frank, descrita de forma bem abrangente e emocionante.
A qualidade das fotos é muito boa. Ilustra muito bem os seus posts.
Bem, vou esperar o próximo pra viajar junto.
Um abraço
Paulo Fraga

Nilton disse...

Olá M.Paula....
Pois é... continuam abrangentes seus comentários ilustrativos nesse passeio "MARAVILHOSO" em que nos coloca frente á frente com situações vividas no seu dia a dia!!!!!
... Hahahaha... Eu achei o máximo aquele "papagaio de pirata" com o indicativo fazendo o sinal de positivo naquela foto muito linda...hahahahaha, em que o mesmo SAIU DE FURO!!!!!!Então .... as "moças" da vitrine eram feias???? Hummmmm... vou perguntar p/ o meu Sobrinho Gabriel hahahahaha(assunto particular)
Quanto a variedades de cerveja é a realidade Holandesa né? Diz p/ o Gabriel NÃO TOMAR CERVEJA PRETA.... hehehehehe....mulher grávida é que toma...hahahahaha,que é p/ juntar leite!!!!Eu disse p/ a Silvéria que VOCE daria uma ÓTIMA REPÓRTER CORRESPONDENTE INTERNACIONAL da GLOBOSAT...diretamente p/ o BRAZIL(Brasil)
Bjão Sobrinha querida...& até mais

Sonia Wurfel disse...

Oiiii nega amada da Dinda... adorei esse passeio de vcs em Amsterdan, como tds né , as visitas de vcs , curiosidades e costumes dos povos , e não podia deixar de comentar q tu não esquece da dinda né, adoro td isso sou muito curiosa, faz maior sucesso aqle abridor que tu me deu hahahaha adoro novidadesss, me deu água na boca a cerveja Heineken, e o bar de gelo tá loco endurece td mesmo. Nossa e os diamantes... devem ser maravlhosossss, dá vontade de trazer um tbm né.
Bjssss amada e continua escrevendo cada detalhe das viagens e vcs, está maravilhoso de acompanhar , teu Dindo tbm te manda bjssss e adora ler tdo q tu escreve amada.
Ti amuuuuuu.